quinta-feira, 30 de abril de 2009

Tourada

Bom, tourada é crime. É um crime de facto que não é de jure (ainda). Maus tratos a animais é crime. Não é preciso ser-se jurista, filósofo ou de outras especialidades de grande entendimento para reconhecer e aceitar isso. Mas é preciso um pouco de sensibilidade, eventualmente algum espírito de sacrifício e auto-sinceridade (isto, não só em relação a touradas mas em relação aos animais em geral).

Um dos argumentos que por vezes se ouvem contra os abolicionistas de touradas é que estes deviam também preocupar-se com outros animais que não aparecem na televisão. Argumento vazio e sem objectivo claro. É claro que qualquer activista de direitos dos animais se preocupa com um vasto leque de casos de abuso e selvageria em animais. Mas pelo menos duas razões para não dar tréguas à tourada me ocorrem. A tourada é um caso de gravidade exemplar na medida em que, ao contrário de lutas de cães e de galos (outros exemplos de diversão saloia) que ocorrem na clandestinidade, a tourada existe com a complacência de autoridades estatais. E depois, mesmo que haja alguém a defender a causa pelo politicamente correcto, tal eventualidade não é mais grave do que dessangrar um animal e dizer que aquilo não é o que é. Finalizando, e mesmo porque não há muito a dizer sobre tal assunto, é mais que óbvio que a tourada tem os dias contados. Um dia escreverei neste blogue uma mensagem de júbilo pelo fim de uma vergonha descarada.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Brasil/Portugal

À parte do acordo ortográfico, ouço falar muitas vezes que a língua portuguesa deve unificar-se o mais possível. Pois bem, não posso estar mais de acordo. Agora, o que eu vejo é que Portugal sem muito esforço, e mesmo talvez inconscientemente, faz e sempre fez a sua parte na ambientação dos portugueses ao Brasil com novelas e música brasileira. No Brasil o impensável acontece. Programas, filmes e séries portugueses são dobrados ou legendados. Parece ser uma grande dificuldade de compreensão que talvez possa ser resolvida com uma pequena dose de boa vontade. Esse talvez seja um bom ponto em que o governo brasileiro possa pegar para promover uma mais estreita aproximação cultural do Brasil a Portugal.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Galécia

Foi na Internet que tomei conhecimento de certas correntes de pensamento que idealizam uma Galécia à semelhança da de antigamente. Portugal é pequeno, mas sempre pensei que fosse unido. Foi com grande tristeza que constatei que para alguns as coisas não são bem assim. Até concordo com uma regionalização do país, mas penso que a Região Norte deve compreender que não é mais nem menos que qualquer outra região de Portugal. Escreve alguém do Centro de Portugal que não nasceu nem nunca viveu em Lisboa (o bicho papão de alguns do Norte). Lamento se as minhas palavras atingem a grande maioria nortenha que não tem sequer conhecimento de tais ideias, mas infelizmente "basta uma gota de veneno para comprometer um balde inteiro" (excerto de uma frase de Mahatma Gandhi). Admiro-me como é que alguém, em nome não sei bem de quê, pode querer dissociar-se de algo grandioso que ajudou a construir e querer resgatar ou celebrar quase do nada uma espécie de história alternativa. Abomino o conceito de Galécia sobre o de Portugal tal como o conhecemos. Realmente há gente para tudo...

Comentar neste blogue

Qualquer internauta é bem-vindo a comentar. Comentários que não tenham nada a ver com o assunto em pauta, insultos gratuitos, etc... serão removidos. Obrigado por comentar!