quarta-feira, 8 de julho de 2009

Crime

O crime em geral ― a desconsideração total pelo próximo ― é um assunto que me toca bastante pessoalmente. Digo isto após cruzar a minha apreciação do fenómeno com a minha introspecção. Muitas vezes me apetece fazer coisas que prefiro não descrever, e não é por isso que descarrego ao ensejo do capricho. Este assunto aflige-me porque tenho uma perspectiva talvez surreal do que pode ser o crime.

Existe certamente um sub-mundo marginal em pleno funcionamento todos os dias onde indivíduos de espírito meliante fazem praticamente tudo o que querem, controlam e vigiam quem querem e acham que podem fazer tudo sem punição nem arrependimento. E então, eu creio que o crime só não domina completamente a sociedade porque cada meliante tem a sua própria causa para transgredir. Se colocarmos um cenário onde haja uma convergência entre diferentes tipos de vontades criminosas numa só causa, que não seja somente assaltos a bancos ou contrabandos, por exemplo, mas sim o objectivo de perverter as normas da sociedade, imperará um dia a lei do sem carácter. É uma hipótese remota porque na escolha pelo crime certamente tem grande peso um ego desregulado, partindo de uma estrutura mental grandemente egoísta. Daí que uma associação ou organização a essa escala possa ser pouco provável. Não obstante a probabilidade, este tipo de mal só tem que ser extirpado da sociedade. Soluções, precisam-se.

Este é um completo sentimento de impotência porque naturalmente a grande maioria da população não quer problemas com nada nem com ninguém, ficando a sensação de que resta apenas rezar para nunca nos cruzarmos com tal tipo de gente. É caso para dizer que; eles andam aí.

Comentar neste blogue

Qualquer internauta é bem-vindo a comentar. Comentários que não tenham nada a ver com o assunto em pauta, insultos gratuitos, etc... serão removidos. Obrigado por comentar!