segunda-feira, 15 de março de 2010

Da Adolescência

Espelho

Alto e magro, uma figura distante
Olhos e cabelo escuros e pensamento incessante
Amante da Natureza e da liberdade
Infindável procura da felicidade

Lembranças de longínquas memórias
Dezassete anos no corpo e duas longas histórias
Uma mente cansada mas sã
Fruto preferido, uma maçã

Cândida

no meu pensamento desfilava
nos meus sonhos brilhava
do meu rosto a dor apagou
dos meus olhos as lágrimas secou

Do chão ao pedestal

o seu encanto não cabe em palavras
se a natureza tivesse voz
espalharia no vento a sua graça
e desenharia nos oceanos o seu rosto

Rodeada de Primavera

que divinal silhueta eu vi
sob o ameno sol primaveril
a solidão que eu senti
no auge do mês de Abril

Loirinha

gostaria de ficar
no amarelo a repousar
ficaria até a idade me esquecer
até nas feições me perder


Escrito (com algumas alterações) nos idos anos 90 do século XX.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentar neste blogue

Qualquer internauta é bem-vindo a comentar. Comentários que não tenham nada a ver com o assunto em pauta, insultos gratuitos, etc... serão removidos. Obrigado por comentar!