segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Geografia da Língua Portuguesa

O Centro Virtual Camões, do Instituto Camões, mantém um acervo de registos sonoros dos vários dialectos da Língua Portuguesa que existem em diferentes regiões de Portugal e do mundo.
São excertos de entrevistas feitas a pessoas de várias regiões do País e a estrangeiros (de territórios ex-portugueses) por investigadores da área de Linguística da Universidade de Lisboa.

É interessante;

Secção de Portugal Continental e Insular.

Secção da Língua Portuguesa fora da Europa.

Não tropecem nas coroas

A seu tempo (e em princípio) a Líbia mudará de bandeira. A actual bandeira verde é mais a bandeira pessoal de Kadhafi do que de outra coisa qualquer...

Agora, se o povo quer realmente democracia, não pode pensar em voltar atrás 50 anos para uma monarquia.

E o mesmo vale para o Irão. O povo quer liberdade, mas não queira voltar a 1979 e ser governado por um . Monarquias não são sistemas igualitários.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

sábado, 26 de fevereiro de 2011

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Uma ocasião para explicações

Este é que é um caso para o Governo português ir à Assembleia da República explicar ao País a base ética das relações diplomáticas com biltres tipo Kadhafi e Hugo Chávez.

Bem sei que outros países mantém trocas comerciais ainda mais indecentes (armamento) com esses moncosos, mas, primeiramente, zelo pelo meu país.

Como é que o Governo de Portugal, consagrado pela longevidade e amenidade de carácter, desce desavergonhado e se relaciona com grunhos e aldrabões públicos?

Fumar

Eu acho que se devia proibir tabaco e só permitir marijuana.

A propósito de notícia no Público.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Turbulência no mundo muçulmano e Portugal no CS

Esta agitação pouco usual no mundo coincidiu com a presença de Portugal no Conselho de Segurança da ONU. Agitação essa que, pelo menos em relação à situação israelo-palestiniana terá implicações, umas mais favoráveis à resolução do problema, outras menos.

O que está a ser feito por esses países islâmicos é o que deve ser feito. Acabar com regimes senis e instalar a Democracia.

Mas em países islâmicos a principal mudança (nomeadamente a relação com a religião) tem vir de dentro, do interior de cada muçulmano, e reflectir-se nessas sociedades.

Portugal é competente e razoável. Só se espera é que não se desenvolva nenhum impasse que obrigue Portugal a fugir um pouco ao seu registo historicamente moderado.

BE e PCP

O Bloco de Esquerda não parece um partido. Mais parece uma experiência qualquer. O Francisco Louçã até parece o Professor Pardal.

E o Partido Comunista é um atraso de vida. Até mete dó...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Praxe sangrenta

Soa a obrigação. Cuidado com isso.

A prole da repressão sexual

Eis aqui os frutos mais perniciosos da religião e especialmente do islão, como religião mais prepotente que é.

Estes casos não são infrequentes nas sociedades islâmicas. Porém é sempre deplorável ver seres humanos deixarem-se cair no "efeito de matilha" (quando um cão ataca, os restantes atacam automaticamente também). O estatuto da Mulher no muçulmanismo é um problema psicossocial urgente que tem de ser resolvido.

É este o cerne dos problemas que as religiões e o islão em particular representam. Há a necessidade de nos vermos livres de todo e qualquer pensamento de contorno religioso que nos tolha o discernimento. Sem cortes abruptos e sem exaltações, mas ignorando o fenómeno até que desapareça o mais possível.

O ser humano pode ser bom ou mau. Não é por termos inventado um "boneco" em que reflectimos a nossa natureza que isso influi nalguma coisa.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A situação no Egipto

É inadmissível que um governo, seja de que parte do mundo for, esteja décadas e décadas a governar tal como acontece frequentemente por África em que certos governantes estão no poder desde que conseguiram a independência dos seus colonizadores. E mesmo quando morrem passa o poder para um filho ou alguém da família.

Neste caso do Egipto, tal como noutros países muçulmanos, a sociedade é secularmente frágil, sempre sob a ameaça do radicalismo islâmico.

Acho possível que, caso os destinos do Egipto caiam em mãos religiosamente fanáticas, passe a haver um conflito explícito entre o Ocidente e o Islão.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

É tudo o mesmo dia

Não há fins de semana
não há dias úteis
não há manhã
nem madrugada

Apenas fecho os olhos
imerso numa esperança azulada
com o abraço forte do Inverno
e a sombra de um copo vazio de fé

Diligência do Ministério dos Negócios Estrangeiros

Esta iniciativa da diplomacia portuguesa é um motivo de orgulho para a política externa do nosso País.

Não se pode perder esta oportunidade em que o povo muçulmano está a demonstrar mais abertura e avidez de mudanças.
É altura de compensar eventuais jogos políticos do passado e estender a mão a esses povos e ajudá-los a cultivar a Democracia e os Direitos Humanos. Até para evitar que caiam em radicalismos, abundantes e omnipresentes por aquelas bandas.

Comentar neste blogue

Qualquer internauta é bem-vindo a comentar. Comentários que não tenham nada a ver com o assunto em pauta, insultos gratuitos, etc... serão removidos. Obrigado por comentar!